159
Publicado o 2021-12-02

Título "Sangue" Letra : Nervo Instrumental : Malakkor Scratch : Dj Pol Gravado por Frank Huxley em Lume estudios. Misturado por Jayder Videoclipe : @albertolora.galunk / @galunkproducions Letra / Lyric É vinho tinto, assim me reciclo, assim o recito. Seguindo no ciclo, continuo delito em contra do distinto, seguimos o instinto está quase extinto. E nom me arrepinto, culpável do vivido, fodido e bebido. Ungidos polo exílio, perdidos sempre em "vilo". Sede já bem-vidos ao fogar dos NOM "BENDECIDOS" Bandoleiro, bandoleira, vida pouco austera. Tira-te ao poço a cegas, esses quartos trazem problemas. Respirar com edemas. Jogar com o lume queima. A vida é um poema, em sangue escreve-se essa letra. Nom cicatrizam as plaquetas, nécias. Seremos a dureça da pedra de Creta em Grécia. Sem anestesia, sente-se mais, pois se perdo a noçom do meu ser irei sem referência. Sim, anda a ve-las vir e verás ti que o sorrir tornara-se por um nom durmir. Fingir nom vai valer quando chegue o nosso fim. Prefiro morrer de pé antes que morder esse "adoquín". EH! EH! A vida nom é YE YE . Sube e baixa o YO-YO. Ledo ou triste porque assim funciona o "rollo". Nom vás estar bem sempre. Luto polo nosso. Sei que a cor do nosso sangue. É vinho tinto, na rua há dor e alívio, mas nom tocariamos o sol dum amencer líbio. Mutamos como anfíbios, "I love you" soam tíbios, golpeam na cabeça a traiçom como anti-distúrbios. "Parpadea" e nom os verás, já "rezuma" o cheiro na fogueira querem queimar a nossa gente. Nom podemos nem respirar. Vendem-nos uma película para nom espertar. Cousa fina bah, da-me morfina, droga todo o dia. Que mais dá se muitos chegaram a quitar-se a vida. Digam o que digam, sempre mimetizam o mal camuflado em bem e geram estigmas. Quando para comer só quede estrume e se mantenham impassivos como a Gioconda no Louvre. Compreenderás que nos fodem por costume e nom há soluçom aos problemas no puto YouTube. EH! EH! A vida nom é YE YE . Sube e baixa o YO-YO. Ledo ou triste porque assim funciona o "rollo". Nom vás estar bem sempre. Luto polo nosso. Sei que a cor do nosso sangue. Tem ganas de seguir e voz para berrar. O ódio está a bater, amor a latejar. Imo-lo a cumprir, nom estar por estar. Cuspir este sofrer, queimar esse pesar. A moral polo cham, assim nos querem ver. Estam-nos a escravizar, sombras vam a deter. Todo polo poder e só saber fingir. Prefiro já nom ser a ser coma ti. Management & Contratación - Galunk Producións Este enderezo de correo está a ser protexido dos robots de correo lixo. Precisa activar o JavaScript para velo. | +34 722 85 59 90 | http://galunk.com/ | Este enderezo de correo está a ser protexido dos robots de correo lixo. Precisa activar o JavaScript para velo.

Utilizamos cookies

Utilizamos cookies no noso sitio web. Algunhas delas son esenciais para o funcionamento do sitio, mentres que outras axúdannos a mellorar este sitio e a experiencia do usuario (cookies de seguimento). Podes decidir por ti mesm@ se queres permitires o uso de cookies ou non. Ten en conta que, se as rexeitares, é posíbel que non poidas utilizar todas as funcións do sitio.